Museus de Budapeste

Museu e Ruínas de Aquincum

(III., Szentendreiút 135-139.)
Um dos maiores parques arqueológicos da Hungria, existe há mais de 110 anos. A área das ruínas representa cerca de um quarto da cidade civil de Aquincum, destacando-se vários edifícios característicos e casas particulares. Todos evocam o período de prosperidade desta sede de província, nos séculos II e III. Projectores de imagens em 3D dispersos peto parque oferecem-nos uma ideia sobre os edifícios da antiga cidade.

   

Museu de História de Budapeste - Museu do Castelo

(I., Szent Gyõrgy tér 2.)
Colecção de vestígios arqueológicos de Budapeste. Budapeste na Idade Média: o desenvolvimento das povoações desde a época romana até ao século XIII. O Palácio Real da Buda medieval: colecção de objectos originais de uso, selos, peças em vidro, armas, túmulos. As estátuas góticas do Palácio Real. Budapeste na idade moderna: momentos históricos na vida de uma metrópole.

Instituto e Museu Militar

(I., Tóth Árpád sétány 40.)
Uma rica colecção de armas desde a época das guerras contra os turcos até ao século XX. Uniformes, bandeiras, mapas, projécteis e uma colecção de numismática com mais de 28 mil moedas. Lembranças dos pi totós que emigraram depois da 2a Guerra Mundial. A exposição Jreze dias", alusiva à revolução de 1956, merece especial atenção.

Centro Memorial do Holocausto

(IX., Páva utca 39.)
A Sinagoga na Rua Páva e a eua ala moderna albergam, desde 2004, este centro evocativo que tem patente, numa área total de 1500 metros quadrados, uma exposição permanente de homenagem às vitimas do Holocausto, intitulada „0esde a privação de direitos até ao genocídio".

Museu de Arte Oriental Ferenc Hopp

(VI., Andrássy út 103.)
A colecção fundada por Ferenc Hopp, coleccionador do século XIX, era originalmente composta por quatro mil peças adquiridas na Ásia Oriental, sobretudo no Japão e na China. Hoje, a colecção reúne cerca de 20 mil obras de arte. Entre as peças que se encontram expostas na antiga casa do coleccionador destacam-se as relíquias do Japão medieval e os objectos de bronze e porcelana chineses. A exposição permanente está patente no Museu Ráth Gyõrgy.

Museu Comemorativo Lajos Kassák

(III., Fõtér 1.)
Exposição no antigo Palácio Zichy da obra artística de Lajos Kassák, principal artista da vanguarda húngara, poeta, pintor e publicista.

Museu Kiscelli

(III., Kiscelli utca 108.)
O museu foi construído no século XVIII para albergar a ordem trinitária, tendo sido posteriormente transformado em palácio barroco e até num hospital. Hoje é um dos museus de Budapeste com uma localização mais pitoresca, situando-se numa floresta sob as colinas de Óbuda. As suas exposições apresentam duas grandes colecções do Museu de História de Budapeste: a história da cidade na idade moderna e a colecção de obras de arte da Galeria Municipal de Pinturas.

Casa KOGArt

(VI., Andrássy út 112.)
Neste palacete, situado na Avenida Andrássy, organizam-se por ano 5-6 grandes exposições apresentando várias épocas da história cultural húngara e universal, bem como obras de diferentes artistas. Também se realizam mostras da geração mais jovem de artistas, cuidadosamente organizadas.

Museu dos Transportes

(XIV., Városligeti kõrút 11.)
Uma das mais antigas colecções da história dos transportes da Europa. Os seus combobs-modeb têm fama mundial. Uma superfície de oito mil metros quadrados abarca as seguintes exposições permanentes: "100 anos atrás e hoje", "100 anos da viação húngara", "100 anos da navegação húngara", "A história do transporte rodoviárb", "A história da locomotiva a vapor", "A história dos transportes urbanos".

Museu das Artes Aplicadas

(IX., Ullõi út 33-37.)
Este palácb secessionista é um dos monumentos mais bonitos da capital. Coberto de cerâmicas Zsolnay, foi projectado por Õdõn Lechner e Gyula Pártos. Na sua exposição permanente podemos admirar as peças mais valiosas da colecção do museu.

   

 

Museu Ludwlg - Museu de Arte Contemporânea

(IX., Komor MareeiI utca 1.
(Palácio das Artes) Única do género na Hungria, esta colecção pública é constantemente aumentada com novas obras de artistas húngaros e estrangeiros, todas apresentadas no mesmo local. Devido à sua localização e dimensão, às características da oolecção e à contínua aquisição de obras, este museu é um predominante centro regional da vida artística contemporânea da Europa Central.

Galeria Nacional Húngara

(I., Szent Gyõrgy tér 2.)
A colecção dispersa pelas alas A, B, C e D do Palácio Real consta de cerca de 100 mil objectos de várias épocas, desde a fundação do estado até à actualidade. Exposições permanentes: "Lapidarium medieval e renascentista", "Esculturas de madeira e painéis pintados gótioos", "Retábulos do Gótico Taidio", "Aarte renascentista e barroca", "A cripta dos palatinos dos Habsburgos", "Pintura e escultura dos séculos XIX e XX*.

Museu Nacional Húngaro

(VIII., Múzeum kõrút 14-16.)
O museu foi fundado em 1802, com base na colecção de moedas, livros e documentos do conde Ferenc Széchenyi. Hoje em dia integra mais de um milhão de peças. Desde 1846 que esta vasta colecção nacional se encontra no edifício neoclássico projectado por Mihály Pollack. Exposições permanentes: *A história da Hungria", "O manto da coroação", "Cientistas húngaros", "Lapidarium - exposição de objectos de pedra romanos".

   

 

Museu de História Natural

(VIII., Ludovika tér 2-6.)
Depois de 200 anos caótioos, a oolecção inteira do museu foi transferida para um edifício próprio, a antiga academia militar, a Academia Ludovica. Este imponente edifício de estilo neoclássico, junto com o picadeiro, alberga desde 1995 a colecção de minerais e fósseis do museu. Exposições permanentes: 'Homem e Natureza na Hungria", "Dos tesouros da colecção de minerais", "Na senda de tempo - um parque de pedras em frente ao museu".

Parque Memento

(XXII., cruzamento Balatoni út (via rápida n° 7) e Szabadkai utca)
Este lugar leva-nos ao tempo em que o comunismo dominava metade da Europa. Noutros países da Europa de Leste as estátuas da propaganda vermelha de tipo russo foram destruídas. Já Budapeste preservou essa estatuária como registo histórico, podendo agora apreciar-se no Parque Memento cerca de 40 estátuas que antigamente decoravam locais públicos. Aqui encontram-se estátuas de Lenine, Marx ou Engels, monumentos gigantescos e estátuas alegóricas de vários soldados soviétioos e heróis do comunismo. O mundo por detrás da oortina de ferro é evocado de várias formas, designadamente na tribuna de Estaline, na exposição .Barraca" e na projecção de um filme, outros motivos de visita ao Parque.

Palácio da Arte

(XIV., Dózsa Gyõrgy út 37.)
O maior espaço de exposições do país, um dos edifícios neoclássicos mais imponentes da Praça dos Heróis. Não tendo colecção própria, o palácio acolhe frequentemente exposições temporárias de obras de artistas e colectivos de arte contemporânea.

Museu do Palácio de Nagyteteny

(XXII., Kastélypark utca 9-11.)
Nas 28 salas da exposição permanente deste palácio barroco de beleza excepcional podem ver-se, além de mais de 300 peças de mobiliário, fogões ladrilhados, lustres, tapetes, tapeçarias, objectos de cerâmica, vidro e ourivesaria que permitem revi\er o ambiente dos lares nos últimos 500 anos. Exposições e eventos tradicionais organizados cada ano: 'Épocas - Flores", "As gavetas ocultas dos mó\«is", "Dias arcaicos de alegria no jardim do Centauro", "Natal no Palácio".

Museu Etnográfico

(V., Kossuth tér 12.)
Um dos maiores museus do género da Europa, apresenta cerca de 139 mil objectos de origem húngara e 53 mil peças de outras partes do mundo. No magnífico edifício da antiga cúria dos reis, junto ao Parlamento, estão reunidos elementos arquitectónicos renascentistas, barrocos e clássicos. Exposições permanentes: *A cultura tradicional do pow húngaro", "Das comunidades primitivas à civilização".

Museu de Óbuda

(III., Fõ tér 1.)
Esta oolecção instalada no Palácio Zichy encerra em si os documentos históricos e as recoidações da história industrial de Óbuda e seus arredores, desde a época romana até ao século XX. Nas suas exposições permanentes podem ver- se decorações de interiores secessionistas, uma colecção da história do brinquedo e adornos de ferro forjado das antigas casas de Óbuda.

Museu de Belas-Artes

(XIV., Dózsa Gyõrgy út 41.)
O núcleo da colecção do museu era, inicialmente, a rica colecção de pint- uras da família Esterházy (anos 1870). Hoje, o acervo compreende cerca de cem mil peças, em exibição desde 1906 num magnífico edifício neoclássico situado na Praça dos Heróis. O museu apresenta arte internacional desde a Antiguidade até à actualidade. Além das peças egípcias, gregas e romanas, é de realçar uma belíssima oolecção de obras representativas das esoolas de pint- ura italianas dos séculos XIII a XVIII. As mais preciosas peças da colecção espanhola são sete telas de El Greoo. Destaca-se ainda a pintura francesa, com obras dos séculos XIX e XX.

Museu Casa do Terror

(VI., Andrássy út 60.)
Este edifício neo-ienascentista é um dos símbolos mais complexos da história recente da Hungria, tendo sido durante décadas um local temível: no Inverno de 1944 foi sede dos nazis e depois de 1945 sede dos comunistas húngaros. A temática da exposição permanente segue cronologicamente o estabelecimento das ditaduras totais na Hungria.

Museu Vasarely

(III., Szentlélek tér 6.)
O museu recebeu o seu nome do pintor húngaro Gyózó Vásárhelyi, que a partir de 1930 trabalhou em Paris onde, sob o nome Victor Vasaiely, fundou o movimento op-art e ganhou fama mundial. Nos seus quadros utilizava cores vivas, formas geométricas e a ilusão óptica. O material da exposição, que representa toda a carreira do pintor, foi seleccionado entre as 400 peças da colecção doada ao Museu de Belas-Artes.

Museu Judaico

(VII.. Dohány utca 2.)
O museu ao lado da Grande Sinagoga, na Rua Do- hány, tem uma beleza única em toda a Europa. Aqui se encontra uma valiosa colecção do Judaísmo. As exposições permanentes integram objectos religiosos dos rituais judaicos ou objectos de uso quotidiano, bem como elementos do Holocausto vivido na Hungria.

[REVIEWED] [NOT MIGRATED]