Breve descrição de Gödöllő

Na cidade de Gödöllő, localidade nos arredores de Budapeste econtramos o Palácio de Gödöllő ou Palácio Grassalkovich que ficou conhecido principalmente por causa da Sissi, mulher do imperador Habsburgo, Francisco José. Esse palácio barroco foi construído no século XVIII a mando da família Grassalkovich, tendo servido mais tarde como residência de Verão aos monarcas da Casa de Habsburgo. O palácio é considerado um dos monumentos maiores e mais importantes da arquitetura barroca do país.

A construção do palácio começou por volta de 1773, na altura do Conde Antal Grassalkovich I (1694-1771), aristocrata húngaro do século XVIII que chegou a ser presidente da Câmara Húngara e foi confidente da Imperatriz Maria Teresa. A construção do palácio foi dirigida pelo arquiteto austríaco András Mayerhoffer (1690-1771), originário de Salzburgo (Áustria).

O palácio de Gödöllő foi o primeiro palácio entre vários outros deste estilo que depois foram surgindo pelo país fora. O jardim originariamente tinha sido planejado em estilo francês, mas com a chegada do romantismo o ideal mudou, e o estilo do jardim também foi repensado: assim surgiu o parque à inglesa. Com o passar do tempo, o palácio foi sendo ampliado: construíram uma capela em estilo rococó, depois um teatro, e também um estábulo. Quando Napoleão Bonaparte invadiu a Áustria, o palácio serviu de esconderijo à família real Habsburga.

Após a extinção da linhagem masculina da família Grassalkovich, em 1841, o palácio chegou a ter vários proprietários. Em 1864 todo o complexo foi comprado pelo Banco da Bélgica, mas três anos depois a Coroa chegou à decisão de adquiri-lo. Segundo a resolução do Parlamento o palácio Grassalkovich passou a ser designado como residência de descanso dos monarcas. Os espaços interiores foram, então, modificados de acordo dos planos do famoso arquiteto húngaro, Miklós Ybl.

O estatuto do palácio como residência de descanso dos monarcas durou até 1918, fim da prórpria monarquia: tanto Francisco José (1867-1916) como seu sucessor, o último rei da Hungria, Carlos IV, e a família real passaram vários meses em Gödöllõ todos os anos. Durante este período, o palácio transformou-se numa espécie de símbolo da independência do estado da Hungria: como centro residencial, adquiriu um significado político.

A já mencionada Imperatriz e Rainha Sissi (1837-1898) gostava especialmente de Gödöllő, o pessoal húngaro e os habitantes da vila também sempre a acolhiam favoravelmente. Atualmente, uma grande parte da exposição existente no palácio é dedicada à sua memória, a sua popularidade é contínua na Hungria, sinal disso são as ruas, praças e pontes por todo o país que têm o seu nome. Depois da sua trágica morte (foi assassinada por um anarquista italiano), foi estabelecido um parque memorial à beira do jardim superior que continua a relembrar os visitantes da sua presença em Gödöllő.

As décadas nas quais a família real vivia parte do seu tempo no palácio, significaram ampliações e modificações. As suites foram remodeladas para serem mais confortáveis, e chegou-se a construir um estábulo de mármore e uma casa de carruagens. A galeria de equitação também foi repensada.

Nos anos entre as duas guerras mundiais o palácio Grassalkovich serviu de residência ao governador da Monarquia sem rei, Miklós Horthy. Neste período não foram feitas alterações significativas, com a exceção dum abrigo antiaéreo no jardim.

Durante a Segunda Guerra Mundial, grande parte do palácio foi destruído pelos alemães; mais tarde, na década dos cinquenta, os exêrcitos soviético e húngaro usavam algumas das belas salas do interior do palácio como quartel, outras partes serviam como lar de idosos, e o parque foi dividido em pequenas parcelas. O município de Gödöllő começou as obras de restauro nos anos oitenta.

O palácio pode ser visitado tanto em grupo (há também visitas guiadas) ou individualmente. No rés-do-chão do complexo existe uma pastelaria e uma loja de recordações. Além disso, pode-se visitar também o jardim real: a entrada é gratuita.

No próprio palácio as obras de restauro ainda continuam porque grande parte do edifício ainda se encontra em ruínas. Alguns edifícios, como por exemplo os estábulos, desapareceram por completo. O teatro real, o único teatro construído em estilo barroco no país, encontra-se ainda em fase de recuperação. Se tudo correr como previsto, em poucos anos o complexo inteiro poderá funcionar em pleno esplendor.

Se passearem pelo parque, prestem atenção às alamedas de castanheiras: aí é que a Imperatriz Sissi preferia dar os seus passeios a cavalo.